Arte. Criador. Criação.
dark mode light mode Procurar Menu
Procurar
gradientes quentes com esfera em destaque

Enquanto o mundo acaba

As pandemias passam, conflitos geopolíticos surgem, armas nucleares ameaçam, mas a resiliência humana prevalece.

Ainda a pouco tempo a pandemia que abalou a nossa existência, algo que achávamos que ia acabar com o mundo, começou a normalizar, é certo que ainda ouvimos falar de vacinas e vemos pessoas com máscaras, mas já não existe o pânico que o papel higiénico esgote.

Como não gostamos de perder tempo, iniciamos logo o segundo capítulo de calamidades da humanidade, um confronto geopolítico que já não observamos desde a guerra fria. Tivemos bons anos de paz aqui no hemisfério norte, conseguimos sempre ignorar os conflitos que utilizámos para explorar e capitalizar nos recursos de países menos desenvolvidos. Sem querer atirar lenha para a fogueira, um facto que para mim, é difícil pôr de parte é a existência de armas nucleares, acredito que não as vão utilizar, mas existe sempre um receio.

A humanidade já passou por muitos “fins do mundo”, não no sentido literal em que o planeta terra deixa de existir, mas sim no sentido social onde o status quo é alterado de tal forma que deixa o contexto social irreconhecível. Algo que a história nos ensina é a resiliência humana, a capacidade que temos para nos organizar e desenvolver sistemas para garantir a nossa sobrevivência. 

Enquanto o mundo acaba, ainda temos tempo e sei que por vezes as circunstâncias podem nos levar a estados niilistas, não conseguimos entrar na direção e estagnamos. Por isso é importante cultivar em nós essa direção, determinar quais são as diretrizes que regem o que somos. É o processo de autoconhecimento, encontrares quais são os teus valores e como queres contribuir no dia a dia. Por exemplo, isto pode tomar a forma de atividades que gostas de fazer, como interages com a tua família e amigos ou projetos em que participas.

A sensação que o mundo está acabar é algo intrínseco ao ser humano, em parte todos os dias a nossa experiência vai ficando mais curta, é uma questão de como lidamos com a nossa própria mortalidade e como utilizamos a nossa oportunidade.

Obrigado pela atenção.

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *